O GATO COMEU-TE A LÍNGUA: Gaia tem uma nova pastelaria cheia de doces (e gatos)


Pastelaria francesa, gelados artesanais, petiscos com nomes de realeza e uma decoração arrojada fazem desta nova confeitaria um lugar para se ficar sem palavras.

Tudo aqui foi pensado para impressionar, a começar pelo nome. O Gato Comeu-te a Língua abriu este verão e é muito mais do que uma simples confeitaria. «A intenção foi transmitir a ideia de ficar sem palavras porque gostamos de algo», explica Elsa Matos, que juntamente com o sócio, Vítor Sousa, fez nascer este novo recanto guloso na cidade. «Queremos fazer as pessoas felizes», nota Elsa, e nada melhor que uma casa cheia de doces para que tal aconteça.

Ao entrar sente-se o aroma dos crepes, de massa fina e saborosa, acabados de fazer. Estes são servidos com gelado e fruta fresca, ou em versão salgada, como a combinação figos, nozes, queijo mozarela e rúcula. Voltando aos gelados, há-os para todos os gostos, mas destacam-se os de fruta: banana, manga, frutos vermelhos e maracujá são alguns dos sabores que podem ser combinados em generosas copas, coroadas com fruta da época, numa colorida composição.

Na montra salta à vista a pastelaria francesa, dos croissants recheados às tarteletes, passando pelos éclairs. Há ainda espaço para bolos veganos, brownies e mini cheesecakes. Também há lugar para os salgados. Sopas, saladas, quiches e sanduíches estão disponíveis diariamente, assim como um seleção de petiscos com nomes de reis, rainhas, castelos e outras referências à monarquia portuguesa. Exemplo disso é a batalha de Ceuta, que dá nome ao prato de beringela e curgete recheada com carne de vitela e queijo mozarella.

A decoração divide o espaço em diversas zonas conceptuais. Predomina o aproveitamento de peças antigas, como armários, espelhos e louças, que são agora candeeiros. A sala de refeições é uma espécie de jardim – está forrada a papel de parede com folhas e papagaios coloridos e ainda plantas a pender do teto. Dá passagem para o lounge, repleto de sofás e livros. A completar a oferta da casa, o Gato até já tem uma linha de merchandise, que inclui peluches, porta-chaves e outros artigos. «As pessoas gostam de gatos», ri-se Elsa. E este promete deixar sem palavras quem aqui entra.

MORADA:
Avenida da República, 1850
TELEFONE:
224946955
HORÁRIO:
Das 07h00 às 00h00. Não encerra.
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Advertisements

As escolhas da Forbes para quem visita o Porto e Douro


A revista Forbes publica no seu site uma longa reportagem sobre, na sua perspetiva, os melhores sítios para comer, beber e visitar no Porto (e no Douro), e em que não faltam as caves nem a tradicional francesinha. 

É um autêntico roteiro pelo Porto e Douro aquele que se publica no website da revista Forbes, elaborado por Liza B. Zimmerman. Começa no vale do Douro e termina nas francesinhas e passa por alguns restaurantes e hotéis emblemáticos da Invicta, como o The Yeatman Hotel, o Six Senses Douro Valley e os restaurantes O Gaveto e Marisqueira Antiga (ambos em Matosinhos).

«A região do Douro está a pouco mais de uma hora de condução de distância a partir do Porto, dependendo da velocidade a que se conduza (e os portugueses conduzem depressa)», comenta a jornalista, antes de iniciar um guia completo pelo património, história, riqueza e sabores da região. A Livraria Lello, o Mercado do Bulhão (atualmente em obras) e o Passeio das Virtudes são alguns dos locais referenciados.

01. Six Senses Douro Valley

Este hotel de luxo é o primeiro da marca Six Senses na Europa.

02. Vale do Douro

O Vale do Douro, com as suas vinhas em socalcos, é uma «região encantadora».

 

03. Livraria Lello

Esta livraria mundialmente conhecida recebe uma média de 4 mil visitantes por dia.

04. Restaurante Marisqueira O Gaveto

Este restaurante é apontado como um dos que não se podem perder em Matosinhos.

05. Marisqueira Antiga

A Marisqueira Antiga é a segunda recomendação para comer em Matosinhos.

06. Passeio e Jardim das Virtudes

Este é o espaço verde da cidade do Porto referenciado na reportagem.

Aqui, a vista sobre o rio é «incrível», tal como o cenário ao pôr-do-sol.

07. Jardins do Palácio de Cristal

«Os Jardins do Palácio de Cristal têm uma vista magnífica sobre a Ribeira, Gaia, a Ponte da Arrábida e a Serra do Pilar», lê-se no texto.

08. Torre dos Clérigos

Para se chegar ao cimo desta torre, que é um monumento do Porto, tem de subir 240 degraus, nota o texto.

09. The Yeatman Hotel

Esta é «definitivamente uma boa escolha» para quem quer dormir com vista para o Porto, do lado de Gaia.

10. Hotel Infante Sagres

Este hotel reabriu há pouco tempo e por ficar «no coração da cidade» é outra boa escolha, diz a reportagem.

11. Hotel Carris

O Hotel Carris fica na Baixa, próximo do rio.

12. Mercado do Bolhão

Aqui podem comprar-se produtos frescos e fazer refeições com base em produtos locais.

13. São João (Santos Populares)

A tradição de bater com martelos de plástico barulhentos na cabeça é descrita no texto.

Milhares de portuenses e turistas saem à rua na noite de São João, que é a mais longa do ano.

14. Regata de barcos rabelos

Os barcos rabelos, que ainda existem, eram usados para transportar o vinho do Porto no Douro.

15. Francesinha

A Francesinha e as Tripas à Moda do Porto são descritos como os dois pratos típicos da cidade.

Greenwish: a cafetaria saudável onde o plástico não entra


Em Cascais há uma loja e cafetaria de comida saudável durante o dia e que de noite vira bar. Sempre com a possibilidade de comer e beber no local ou de levar para fora. E um princípio «verde» como o nome promete, presente a toda a hora: aqui, plástico não entra.

O espaço é o mesmo e a gerência também. Mas em junho, a casa que durante oito anos foi uma mercearia fina mudou, transformou-se num dois em um: de dia funciona como loja de comida saudável, de noite como bar. Chama-se Greenwish e, além desta mudança, sofreu outra: aqui, tudo o que é de plástico não entra.

«Este projeto teve sempre em mente a abolição do plástico. Temos de cuidar do planeta. Se todos fizermos um pouco, já estamos a contribuir para um mundo melhor», diz Dulce Marques, a proprietária, que decidiu adotar no trabalho a mesma filosofia que tem no seu dia-a-dia: preservar a natureza.

Durante o dia, e numa sala com muitas plantas, há lugar para 25 pessoas adeptas de «comida saudável», como Dulce Marques gosta de chamar ao que serve nesta área dedicada à restauração. A sopa não tem batata, os sumos de fruta são do dia, nas saladas destaca-se a de pera com gorgonzola, molho de mostarda e mel; enquanto nas tostas sobressaem a de queijo de cabra com geleia de agave e a de abacate, pepino e piri-piri. As sobremesas não têm glúten nem açúcar, pastéis de nata incluídos.

Os que querem sentar-se são servidos com a loiça da casa. Já quem prefere ou tem mesmo de ir comendo pelo caminho, as embalagens de papel e os talheres feitos em bambu passam a mensagem pretendida: «Não ao plástico.»

A partir das oito da noite a regra mantém-se, mas todo o cenário muda. Alguns elementos decorativos, como as luzes, transformam «o saudável num lugar do pecado», diz, em tom de brincadeira, Dulce, que deixou nas mãos do filho este departamento de bar. É ao balcão em néon (ora verde ora azul) que dá para a calçada que André Travassos, de 22 anos, serve os clientes. Mojitos, caipirinhas, gin e cerveja são as bebidas mais procuradas. Para quem gosta de surpresas, há o cocktail Greenwish, uma mistura de espinafre, pepino, maçã verde e vodka.

Também aqui, para os que ficam no interior ou na rua ao balcão os copos são de vidro. Se a ideia é pedir a bebida e ir passear, o plástico habitual é substituído por copos e palhinhas de papel biodegradável. Verde, como o nome promete.

::::::::::::::::::::

MORADA:
Rua Visconde da Luz, 12, Cascais
TELEFONE:
214835481
HORÁRIO:
Das 11h00 às 00h00. Encerra ao domingo
CUSTO:
() Das 11h00 às 00h00. Encerra ao domingo

Grande Porto: Um fim de semana recheado de novo circo e música


Está previsto os termómetros marcarem temperaturas acima dos 20 graus para este fim de semana, que está cheio de sugestões para se de atividades para se fazerem fora de portas.

Esta altura do mês é marcada pelo regresso ao trabalho e às aulas, mas ainda há verão e muitas sugestões para se aproveitar até o calor nos deixar. Conhecer o Porto de Leixões, assistir às performances de novo circo que vão ter lugar em vários pontos da cidade do Porto ou subir até Guimarães para ouvir os concertos de algumas das novas bandas portuguesas emergentes são algumas das propostas para os próximos dias. Percorra a fotogaleria para saber o que há para fazer no Porto, Gaia, Leça da Palmeira, Espinho e Guimarães.

1. Viajar até Itália no Festival Italiano, em Vila Nova de Gaia

Arrancou ontem, quarta, e decorre até segunda, o Festival Italiano, que mais uma vez traz a cultura do país transalpino para a marginal de Gaia. O evento acontece junto à Loja de Turismo da cidade e quem o visitar, encontrará concertos musicais, sessões de DJ italianos, almoços solidários com instituições gaienses, workshops gratuitos e diferentes actividades para a família. Além do Campeonato Português de Pizza, que costuma ser o momento alto do festival, onde diversos pizzaiolos vão disputar o melhor lugar de várias categorias.

2. Festejar o 1º aniversário do Mercado Beira-Rio, em Vila Nova de Gaia

Hoje, quinta, o Mercado Beira-Rio comemora um ano desde que (re)abriu as portas, e para celebrar haverá um concerto do duo musical Andor Violeta, a partir das 17h00. Para petiscar, não faltam opções. Piadina Mia, Kroquet, Barriga Negra, Sushi no Mercado, Alta Burguesia, daTerra ou Miss Pavlova são algumas delas.

3. Assistir ao Festival Internacional de Circo, em vários lugares do Porto

Começa hoje a primeira edição do Festival Internacional de Circo. Durante quatro dias, os moradores do Porto, bem como todos os que estão de passagem, podem assistir a 44 performances, de 13 companhias nacionais e internacionais, no Coliseu, no Largo de Santo Ildefonso, na Praça da Batalha, na Praça dos Poveiros e no Jardim de São Lázaro.

O objetivo deste festival, produzido pelo Coliseu Porto, em parceria com a Porto Lazer, é torná-lo o maior evento de novo circo em Portugal.

A entrada é livre.

4. Ver os concertos do Suave Fest, em Guimarães

Divulgar a nova música nacional emergente é o objetivo do Suave Fest, que regressa ao Largo da Misericórdia, em Guimarães, para mais uma edição. A música já se faz ouvir hoje, com os concertos de Fugly e Stone Dead, e continua amanhã, com Mathilda, Papercutz e First Breath After Come (na foto). No último dia, domingo, sobem ao palco Whales, Grandfather’s House e Ermo.

A entrada é livre.

 

5. Fazer uma viagem no tempo na Feira de Medieval de Rio Tinto, Gondomar

Pela primeira vez, a Feira Medieval de Rio Tinto, que acontece na Quinta das Freiras, terá um espetáculo principal assente numa parte da história de Portugal: a entrega do foro de couto de Rio Tinto por D. Afonso Henriques. Este momento acontecerá no terceiro dia da feira (15), que arranca hoje, quinta, e termina na segunda.

Paralelamente, haverá um espetáculo de fogo e estarão presentes cavalos para o acampamento militar. Este ano, o recinto será maior e não vão faltar expositores, com comida, bebida e artesanato.

A entrada é livre.

6. Descobrir o terminal de Leixões no Dia do Porto de Leixões, em Matosinhos

Mais uma vez, o Porto de Leixões abre-se à população, ao terceiro sábado do mês. Das 10h00 às 19h00, a entrada no porto será gratuita e os visitantes poderão desfrutar de visitas gratuitas ao terminal de cruzeiros, ao porto de Leixões, a embarcações, ver concerto e exposições, bem como um showcooking com a mini-chef Maria Manuel e participar num meet & great com o youtuber SirKazzio.

7. Provar comida vegetariana criativa no Fava Tonka, em Leça da Palmeira

O chef Nuno Castro comanda a cozinha deste recente restaurante em Leça da Palmeira onde a carne e o peixe não entram. Em vez disso, brilham os legumes e as frutas, em pratos e cocktails criativos, onde se dá preferência a ingredientes sazonais, biológicos e pequenos produtores.

8. Despedir-se do verão numa sunset party, em Espinho

O bar 37 na Praia, que abriu a 23 de junho na Praia de Espinho, vai despedir-se do verão com uma festa no dia 15, sábado. No entanto, estará aberto até dia 23 de setembro. Tostas de requeijão com figos, bolos e cocktails são alguns dos petiscos a ser pedidos na esplanada ou nas cadeira em cima da areia.

Há um novo café junto à praia de Leça com comida saudável


No novo Boavida, junto à praia de Leça, encontram-se refeições para repor energias, depois de apanhar umas ondas.

Foram as viagens e experiências de Diogo Oliveira e Telmo Barros que inspiraram este lugar, aberto há pouco mais de um mês. «Fomos ficando cada vez mais adeptos de um estilo de vida saudável», conta Diogo, «e quisemos criar uma opção dedicada a quem gosta de desporto».

Diogo pratica surf, e a praia de Leça, é uma das mais concorridas para a prática deste desporto. No Boavida servem-se pratos coloridos e saborosos desde o pequeno-almoço até um lanche tardio, para recuperar energias entre idas ao mar. É o caso dos ovos benedict que vêm em cima de uma tosta de pão de água com abacate e molho holandês, as granolas, taças de açaí ou iogurte com fruta e panquecas com manteiga de amendoim.

Vale também a pena guardar espaço para uma fatia do bolo de banana com caramelo. «É uma receita desenvolvida por nós», nota Diogo, e à semelhança do caramelo, todos os molhos que acompanham os pratos do Boavida são veganos.

«O nome Boavida remete para os bons hábitos, mas também para uma vida sem preocupações»

Salmão, atum e frango são as únicas proteínas de origem animal que entram nas opções de almoço, divididas entre bowls, hambúrgueres, sanduíches e saladas. As taças, com base de arroz ou quinoa, refletem alguns dos sítios por onde os proprietários já passaram. A Mex, por exemplo, junta ao frango grelhado sabores mexicanos, como o guacamole, a malagueta e os nachos.

Para acompanhar, a par dos batidos que podem levar leite, bebida de amêndoa ou leite de coco, os sumos naturais são o forte da casa, e além das combinações energéticas já definidas, o cliente pode criar o seu próprio sumo.

Tomadas as devidas decisões, basta recostar nas almofadas e apreciar a refeição. «O nome Boavida remete para os bons hábitos, mas também para uma vida sem preocupações», explica Diogo. Na verdade, o conceito é muito simples e resume-se a uma frase que se lê ao entrar na porta: «vida saudável, vida feliz».

:::::::::::::::

MORADA:
António Nobre, 29, Leça da Palmeira
HORÁRIO:
Das 08h30 às 20h00. Encerra à segunda.
CUSTO
() Preço médio: 12 euros

Grande Porto: Há música e livros para este fim de semana


Feira do Livro do Porto 2018

Até 23 setembro, Palácio de Cristal

A Feira do Livro do Porto regressa os Jardins do Palácio de Cristal, com uma programação de matriz revolucionária, não fosse o homenageado deste ano ser o cantautor José Mário Branco, voz e figura emblemática de Abril.

Debates, lições, spoken word, exposições, cinema, sessões especiais, oficinas, animação, programa educativo fazem a edição deste ano, que traz também novos projetos: a Cabine de Escalas (espaço partilhado que possibilita a participação, a título gratuito, de pequenas editoras e livrarias na Feira do Livro); a residência literária do escritor Bernardo Carvalho, que resultou num conto escrito sobre a cidade; e um projeto que ganhará forma no próximo ano, denominado Pavilhão Efémero de Verão.

Difundir o livro e a leitura; fomentar hábitos culturais; estabelecer contactos entre o público e os autores; promover uma grande festa do livro e da leitura são os objetivos da da Feira do Livro do Porto 2018.

Horário

Abertura

Segunda a sexta: 12h

Sábado e domingo: 11h

Encerramento

Domingo a quinta: 21h30

Sexta e sábado: 23h

Clique aqui para consultar o programa da Feira do Livro do Porto

 

Panquecas e hambúrgueres no novo «diner» do Porto


A fértil Mártires da Liberdade recebeu mais uma inauguração, desta vez um restaurante inspirado na cultura americana dos anos 1950.

O Lollipop’s Diner é uma viagem aos Estados Unidos de 1950. Símbolos intemporais dessa década como o piso axadrezado, os sofás vermelhos e brancos, os bancos à janela, luzes néon e, claro, a icónica jukebox estão presentes no Lollipop’s. É este o «sonho americano» de Filipa e Laury Cirozat. Ela é portuguesa, ele francês, e conheceram-se em Paris. Casaram e compraram um bilhete sem regresso para Portugal. Ambicionavam ter um negócio ligado à restauração, e a esta vontade juntou-se o amor que ambos têm pelos EUA. Quando se depararam com este prédio bordeaux, rapidamente souberam o que fazer.

O restaurante ocupa dois pisos, sendo que no térreo fica a cozinha aberta, de onde saem hambúrgueres montados com pão vindo dos EUA e carne de vaca biológica. Juntam-se as sanduíches, em pão de forma ou de cachorro, das quais se destaca a tradicional Philly cheese steak. Tudo acompanhado de milkshakes ou bebidas importadas – Dr. Pepper, chás Arizona, cerveja Bud e root beer A&W.

Contudo, há opções mais leves (ou não tanto), que são servidas ao pequeno-almoço, das 09h00 às 11h30, e ao lanche, das 15h00 às 18h00. Deste conjunto de opções destaca-se a french toast, os ovos cozinhados de diversas formas e as clássicas panquecas, servidas doces ou salgadas. Apesar de o restaurante fechar às 23h00, o take-away está aberto até à uma, para que não fiquem desejos por satisfazer.

MORADA: Rua Mártires da Liberdade, 22, Porto (Baixa)
HORÁRIO:
Das 09h00 às 23h00; take-away sexta e sábado, das 23h00 às 01h00. Encerra ao domingo.
CUSTO:
() Preço médio: 10 euros