Pets

Faz uma boa foto valer um lar


O projeto faz uma pergunta nas redes sociais – Cão ou Sem Casa? – e os seguidores respondem com dezenas de adoções. Porque, diz Joana Lamoso, 27 anos, “para a adoção, uma boa foto conta muito”.

Juntou-se a Ana Tavares, protetora de animais de rua, e a Joana Rodrigues e Catarina Adão, fotógrafas, para criar a página de Facebook que no ano passado conseguiu um lar para mais de 40 animais abandonados.

O voluntariado está no sangue da gestora de redes sociais, natural da Feira, que esteve na génese da delegação local da Cruz Vermelha e ainda angaria bens para doar a associações ligadas à causa animal. Em 2015 criou a “Cão ou Sem Casa” para impulsionar adoções.

Associações pedem ajuda

“Há animais que estão para adotar há mais de um ano e de repente fazemos uma boa foto e temos três ou quatro pessoas interessadas”, diz. Contam mais de cinco mil “gostos” as quatro voluntárias que fotografam cães e gatos de forma criativa. “Só fotografamos e divulgamos, os animais são de pessoas que recolhem da rua, mas as próprias associações pedem-nos ajuda em casos mais difíceis”. Cada sessão é uma aventura. Fazem-nas em casa e recorrem a acessórios alusivos à época. “Enquanto uma fotografa, duas seguram o cão e outra tenta chamar a atenção dele”. Publicam pelo menos três fotos de cada animal e juntam-lhes sempre um relato da sua história de vida. Por isso, nem sempre os mais bonitos e de porte pequeno são os campeões das adoções. “Alguns penso que não vão ser adotados, e são logo, porque as pessoas têm pena. É o caso de uma cadela que não tinha um olho”.

Já lá vão quase três anos e centenas de fotos. “Gostávamos de ter um espaço para fotografar, porque ainda fazemos isto em casa. E sonho com uma medida de esterilização e identificação em massa neste país”.

::::::::::::::::::

Source: https://www.jn.pt/

Advertisements
Livros · Pets

“A Cidade a 4 Patas” – Guia para Cães e Gatos Felizes


Sobre a Obra:

Um guia completo para cães e gatos que se querem felizes!

Nele, os leitores (donos dos bichos ou não) vão encontrar tudo o que necessitam saber: os parques, as esplanadas que admitem animais, os hotéis, os petsitting, as caminhadas, os serviços veterinários, as praias, as creches, as escolas, os desportos, os transportes, os serviços fúnebres, as escapadelas – sim, porque tudo isto e muito mais existe e está disponível para animais!

Pets

A personalidade de seu cão segundo sua forma de dormir


 Que os cães dormem muito, incluindo as sonecas, isso não é novidade. Mas você já reparou na posição que ele habitualmente fica para descansar? Dê atenção a isso, porque sua forma de dormir pode revelar muito da personalidade de seu cão e da confiança que ele sente por você e pelo ambiente onde se encontra.

Informação sobre os cães na hora de dormir

Para os nossos amigos de quatro patas, é muito importante ter um bom descanso.

O tempo que um cão dedica para dormir varia em relação a seu tamanho, sua idade e a atividade física que fez. Em média, ele necessita de entre 12 e 14 horas de sono.
Os exemplares adultos dormem, em geral, 8 ou 9 horas, e depois tiram várias sonecas durante o dia.
Os filhotes, por sua vez, como gastam muita energia, passam boa parte do dia nos braços de Morfeu (em torno de 18 horas).

 

A posição que um cão adota para dormir pode revelar muitas coisas sobre sua personalidade.

 

A personalidade de seu cão se revela pela posição que ele adota enquanto dorme

Mas, além da quantidade de horas que dorme, é a posição em que o faz que pode lhe dizer algumas coisas sobre a personalidade de seu cão.

A seguir, detalharemos as principais posturas que os cães costumam adotar enquanto descansam, e seus possíveis significados.

De lado:

Quando um peludo dorme de lado, quer dizer que ele está à vontade em seu entorno e seguro de si mesmo. Por ser uma posição cômoda, isso denota que o animal se sente feliz e despreocupado. Mas também significa que confia em você e que é muito leal.
Dormir de lado, além disso, é também uma postura bastante habitual nos cães de rua que, infelizmente, se acostumaram a não ter um lar. Por esse motivo, é como se tivessem desenvolvido a capacidade de se sentirem cômodos em qualquer lugar.

Corpo dobrado e encolhido:

Uma das formas mais comuns de dormir que os peludos têm é com seus corpos dobrados e encolhidos. Assim eles mantêm o calor de seus corpos. Também é uma forma de proteger seus órgãos vitais e outras partes do corpo, como a garganta.

Se seu peludo for dos que se encolhe para descansar, certamente é um animal dócil e bem-disposto.

 

De barriga para cima:

Quando um cão dorme de barriga para cima e com as pernas abertas, isso demonstra que ele é um bichinho que se sente relaxado e seguro de si mesmo e de seu entorno.
Leve em conta que, quando um cão está de pança para cima, ele se encontra em estado de vulnerabilidade. E se ele costuma dormir nesta posição, é um cão feliz e confiante, absolutamente convencido de que nada de mau pode ocorrer no lugar onde se encontra.

Barriga para baixo:

Esta postura é a que costuma adotar um cão quando o sono não é muito profundo. Por isso, os peludos costumam dormir de barriga para baixo quando tiram uma soneca. É uma maneira de poder estar alerta ao que acontece ao redor.
Os cães que escolhem esta posição são, geralmente, dóceis e tímidos. Mas também são animais com muita energia, que estão sempre preparados para brincar e passear.

Desmaiado:

Esta postura de “knock-out” é a que se pode ver em cães que fazem grande atividade durante todo o dia ou naqueles que têm muito calor. Eles se deitam de costas para “se esfriarem” mais rapidamente.
Em relação a sua personalidade, são animais seguros e relaxados, que se adaptam com facilidade a diferentes situações e ambientes.

 

Esticado:

Esta é a posição que costumam utilizar para o descanso os filhotes que têm muita energia e que estão motivados e contentes.
Consiste em dormir de barriga para baixo e com as patas, tanto as dianteiras como as traseiras, estiradas, quase como se estivessem voando.

Outras considerações sobre o descanso dos cães

Independentemente da personalidade de seu cão, leve em conta que, para que ele tenha um bom descanso, você deve garantir que ele realiza suficiente atividade física e mental durante o dia. Isso pode ser obtido com:

-Passeios
-Exercícios
-Jogos de inteligência
-Brinquedos interativos

Tampouco se esqueça de mimá-lo. Assim, certamente, ele dormirá feliz e seguro.

 

Pets

Recicle e ajude os animais!


 As pessoas que colaboraram ativamente no resgate e cuidado de animais de estimação abandonados ou que sofreram outros tipos de maus-tratos, usam maneiras diferentes de pagar as despesas das organizações de proteção animal. Alguns deles vinculam este nobre objetivo a outro não menos importante: o cuidado do meio ambiente através da reciclagem de tampas de plástico ou garrafas.

Uma maneira ecológica de ajudar os peludos abandonados

Uma dessas iniciativas está sendo desenvolvida em diferentes países da América Latina. Esse é o caso da Argentina, Uruguai e Colômbia. O slogan é simples. As pessoas são convidadas a guardar as tampas de plástico das garrafas de refrigerante ou de água que consomem. Então eles os levam aos lugares de coleta. Por exemplo:

1.Lojas de diferentes categorias
2.Órgãos públicos
3.Estabelecimentos educacionais
4.Algumas empresas privadas e fundações

O dinheiro obtido com a venda desses materiais para empresas de reciclagem é usado para ajudar vários abrigos de animais.
Este tipo de projeto também está sendo realizado na Espanha, embora seja mais comum realizar campanhas específicas, destinadas a colaborar com pessoas que precisam pagar algum tratamento médico.

Uma boa maneira de combinar ajuda a animais abandonados e cuidados com o planeta é juntar materiais plásticos, vendê-los para reciclagem e dedicar o dinheiro obtido para cães e gatos sem-teto.

 

Por que as tampas de plástico são escolhidas como uma forma de ajudar os animais

Neste ponto, você vai se perguntar porque a iniciativa se concentra em pedir tampinhas. Bem, a resposta é que esse é um elemento fácil de guardar e transportar, e que não ocupa muito espaço.
Mas também, porque elas são compostas de polímeros de qualidade melhor que os de uma garrafa. E assim eles são muito úteis para aqueles que reciclam esses materiais, que acabam sendo convertidos em vários objetos plásticos. Por exemplo:

1.Baldes
2.Cestos de lixo
3.Brinquedos
4.Cadeiras

 

Uma recicladora de garrafas que dispensa alimentos para animais de rua

Outra iniciativa ligando reciclagem a ajuda a animais surgiu na Turquia. São os dispensadores de alimentos e água fresca para os peludos em situação de rua.
São máquinas colocadas em lugares públicos, especialmente em praças e parques de Istambul. Quando são introduzidas garrafas de plástico para serem recicladas, elas soltam alimentos para muitos gatos e cães abandonados na capital desse país.
Estes dispositivos também são ecológicos. Eles trabalham com células solares. E o dinheiro obtido com a reciclagem dos materiais serve para comprar o alimento dos animais.
Mas, mesmo que ainda seja uma medida que atenda às necessidades imediatas dos desabrigados peludos – além de remover elementos para reciclagem – essa opção não resolve alguns problemas. E os animais ainda estão desabrigados e expostos a todos os perigos que podem ser encontrados na via pública.

Contribua com suas ideias para ajudar os peludos e, ao mesmo tempo, cuidar do planeta

No entanto, as diferentes possibilidades de ajudar cães e gatos abandonados são infinitas. E, se você colaborar para tornar o planeta menos contaminado, ainda melhor.
Então já sabe: se desejar, pode se inspirar em algumas dessas iniciativas e promovê-las em sua vizinhança ou comunidade. Além disso, com a ajuda de redes sociais, tudo pode ser divulgado muito mais facilidade e rapidamente.
Nós deixamos, a título de exemplo, um link da base argentina Tapitas x Patitas, onde eles explicam bem o que é esse movimento e como ele é organizado.
E, se você consegue pensar em qualquer outra ideia que ajude os animais e, de certo modo, faça bem ao meio ambiente, não hesite em pô-la em prática. A propósito, convide amigos, parentes e vizinhos para acompanhá-lo em uma campanha tão nobre. Os peludos abandonados e o planeta poluído saberão agradecer da melhor maneira, com certeza.

Source: https://meusanimais.com.br/recicle-e-ajude-os-animais/

Pets · Vale a pena visitar...

Esplanadas no Porto para visitar na companhia do seu cão


A entrada de animais de estimação nos estabelecimentos ainda não é permitida por lei, mas no Dia Mundial do Animal, mostramos mais algumas dicas.

Existem cada vez mais espaços que ostentam com orgulho o rótulo de pet friendly, isto é, amigos dos animais de companhia. Mas se há já hotéis e turismos rurais que incentivam os donos a viajarem, a lei ainda é um obstáculo para restaurantes e bares, que estão impedidos de abrir as portas a cães, gatos e outros bichos.
Está para breve a discussão na Assembleia da República de uma proposta que pretende levantar esta proibição. Até lá, as esplanadas são o abrigo possível para donos que não abdicam da companhia do seu animal de estimação. Junto à praia, no parque ou mesmo no coração da cidade, é possível encontrar alternativas.

1.Praia Bar

É um dos novos bares de praia da marginal de Vila Nova de Gaia, sob a praia de Salgueiros, com um ambiente de verão, decoração em tons leves e uma carta recheada de sumos, saladas, sanduíches e bolos caseiros. A esplanada, arejada e a um passo do areal, é um refúgio ideal para um passeio na companhia do melhor companheiro que, por ali, pode correr em total liberdade.

 

2.Base

Desde que abriu, no final de 2013, que o Jardim das Oliveiras – na Praça de Lisboa – tem sido o espaço verde favorito de portuenses e turistas para relaxar, ler um livro ou simplesmente apanhar sol. Aqui o trânsito não incomoda – o jardim está acima do nível da rua – e o bar, no espaço central, serve todo o tipo de bebidas, entre cerveja, gin, sangria, cocktails e vinho.

 

3.Mercearia do Miguel

A velhinha mercearia na Cantareira renovou-se e agora é também um café – preparado na prensa francesa, em balão ou servido em formato clássico de expresso – com boas e leves opções para um almoço ou um lanche reforçado. A esplanada é pequena mas é o local ideal para uma paragem nas boxes durante um longo passeio pela marginal da Foz.

 

4.Aduela

O Aduela é um dos espaços preferidos dos portuenses para um serão ao lusco fusco. É sempre local de romaria, destino de clientes que querem provar o vinho em malgas, a sangria refrescante com fruta fresca ou simplesmente uma cerveja bem gelada, à sombra da oliveira que por ali mora e dá nome à rua.

 

5.Picaba Natural Café

Uma bola de ténis, um longo passeio que antecede o areal da praia e um pouco de sol e está montado o cenário ideal para um passeio com o cão lá de casa. Quando a fome apertar, basta instalar-se na esplanada do Picaba, instalado na base do Edifício Transparente, a meio caminho entre os jardins do Parque e o areal da praia, bem conhecido pelas opções leves e frescas da ementa, caso do açaí na tigela, iogurte natural, fruta, granola e mel. Para assegurar o almoço, há escolhas mais robustas como as saladas de atum e de rosbife, sanduíches, pitas, tostas e bolos caseiros.

 

Source: https://www.evasoes.pt/comer/8-esplanadas-no-porto-para-visitar-na-companhia-do-seu-cao/

Pets

Você sabe por que os gatos ronronam?


O ronron nos gatos é uma coisa muito própria deles e que nos chama poderosamente a atenção. Se trata de um comportamento muito curioso nos felinos, já que o som que os gatos realizam, vem acompanhado de uma vibração. Os donos desses animais e mesmo as pessoas que não têm gatos sabem disso.

Nós que gostamos tanto destes adoráveis animais, mais de uma vez nos perguntamos de onde vem esse ronron e por que ele é feito.

A maioria dos gatos costumam ronronar quando estão sendo acariciados e isso faz o dono pensar que ele está contente e que gosta das carícias que ele está recebendo.

Mas este ronron ainda representa um enigma para as pessoas, como ele é produzido, quando é emitido ou por que ele é feito. Dentro de todos os felinos, só os gatos ronronam.

A origem de tudo:

Esse ronron começa na lactação, quando a gata está amamentando, tanto ela como o filhote ronronam. Quando a mãe produz o som, avisa a sua cria onde ela está localizada.

Além disso, ela realiza esse som como uma forma de acalmar os seus gatinhos no momento da lactação. Esse ronron continua na sua idade adulta para expressar diversos sentimentos do gato pelo dono.

Segundo especialistas, o gato produz o ronron quando está satisfeito, sente prazer ou está feliz. Mas esse ronron não sempre é produzido quando o gato está contente, ele também se apresenta em situações onde o gatinho está com medo ou ansiedade.

Isso pode acontecer quando ele se sente ameaçado por outro animal, e tentar se acalmar através do ronron. Também é visto como uma forma de pedir ajuda nas situações nas que ele se vê ameaçado.

Nos gatos de casa, nós adoramos quando eles sobem em nosso colo e começam a ronronar, vemos isso como uma demonstração de que eles se sentem seguros conosco, e ao mesmo tempo, felizes e o demonstram dessa forma.

As diversas teorias:

Na maioria das vezes vemos o nosso gato ronronando quando tudo está bem. Ele pode ser visto como uma forma de mostrar dependência para a mãe, a partir de tenra idade. Já na idade adulta, ele se mostra como uma forma de dependência do dono do gato.

Existem teorias sobre como é produzido o ronron destes peludinhos, mas não se sabe a ciência certa de onde vem esse som tão característico dos gatinhos.

Uma das teorias diz que ele é produzido porque o gato conta, além das suas cordas vocais que lhe permitem emitir diversos sons, com umas dobras vestibulares que se chamam também falsas cordas vocais.

quando o ar é inspirado e depois exalado, elas produzem as vibrações conhecidas como o ronron.

Essa é uma das teorias da origem do ronron dos gatos, outra nos diz que ele é produzido quando o gato contrai os músculos da laringe, e essa retração produz o que é o ronron.

Essas são algumas das teorias, uma questão fascinante. E ainda não se chegou a um consenso sobre onde, realmente se produz o som e a vibração característica nesse precioso animal. O que sim podemos dizer, é que nós adoramos quando nosso gato se aproxima emitindo esse som.

 

É só questão de observar:

Normalmente, esse som tão típico do gatinho vem acompanhado, por sua vez, de algum sinal corporal, como pode ser a posição do seu rabinho, que eles costumam esfregar na gente.

Esses sinais corporais, por sua vez, indicam que o bichano quer alguma coisa dos seus donos, seja pra os alimentarmos, para que brinquemos com ele ou alguma outra coisa.

O ronron tem diferentes variantes, e costumam se classificar de acordo com a sua entonação, sua duração e intensidade. Os gatos tendem a emitir diferentes sons, dependendo do que estão fazendo, sentindo ou do que eles querem conseguir.

O miado que emitem é muito diferente dos ronrons que eles costumam emitir quando se sentem cômodos ou sentem prazer.

Existem alguns gatos cujos ronrons são altamente audíveis, enquanto que em outros, a gente mal consegue escutar. Como também existem gatos que ronronam a maior parte do tempo.

Enfim, esse som e vibração particulares, que nosso gatinho emite em certas ocasiões e que nós adoramos tanto neles, vão continuar nos chamando a atenção e nos cativando.

 

Source: https://meusanimais.com.br/voce-sabe-por-que-os-gatos-ronronam/

 

Pets

Tudo o que você deve saber sobre o sono do seu cachorro


Ver o nosso cachorro dormir é uma das coisas que mais gostamos. Saber como nós podemos ajudar nosso animal de estimação a dormir bem e garantir o necessário para isso é fundamental para seu descanso e bom estado de saúde.

1.Um cachorro dorme mais da metade de seu tempo. Enquanto nós apenas usamos um terço do nosso tempo para dormir, nosso cão precisa de mais, por volta de 65% do tempo dele, quer dizer, de um total de 24 horas do dia, um cão dorme entorno de 15 horas.

2.Ele precisa de um lugar definido. Mesmo que um cachorro possa dormir em qualquer lugar da casa, ele precisa de um lugar onde ter sua cama; um espaço que ele saiba que é dele, para onde ir quando você o repreender; quando precisar relaxar ou quando quiser descansar. Não tome como certo que ele pode dormir em qualquer lugar da casa.

3.A cama. Talvez, você goste que ele durma juntinho com você na sua cama, mas seja como for, ele precisa ter sua própria cama, e, como dissemos antes, ela deve estar posicionada, sempre, em um mesmo lugar. Não importa que tipo de cama você goste. Existem camas para cães com diferentes formatos e texturas, apenas recomendamos que seja lavável, com cores que não cansem sua vista e que seja confortável para ele. Hoje em dia, existem muitas lojas onde você pode entrar com seu cachorro. Deixe-o ajudar a escolher!

4.Seus ciclos do sono. Os cães têm, pelo menos, três ciclos do sono que se dividem em fases. No primeiro, a atividade cerebral vai diminuindo, mas a força muscular continua a mesma, quer dizer, ele não consegue relaxar totalmente. Na segunda fase, a atividade cerebral é intensa, mas ocorre o relaxamento muscular. O animal pode ter espasmos ou se mexer, mas isso não significa que ele esteja acordado. É importante que você respeite seus ciclos e que não o acorde, porque isso pode causar problemas para ele.

 

 Distúrbios do sono:

O seu animal, da mesma maneira que acontece conosco, pode sofrer insônia ou de distúrbios que o impeçam de ter um sono equilibrado. Diversos fatores influenciam nisso:

1.Quem sabe sua cama não esteja localizada em um lugar muito barulhento, que não lhe possibilite relaxar.

2.Ansiedade causada pela separação de sua família. Se ele ainda for um filhote, provavelmente, sente falta de sua mãe e de seus irmãos; é possível que não consiga dormir bem à noite.

3.Doença. Talvez alguma doença que ainda não se manifestou esteja pertubando o sono dele.

4.Correntes de ar. Os cachorros não gostam de correntes de ar. Se a sua cama estiver em um lugar onde haja muitas correntes de ar, com certeza ele não terá um sono equilibrado.

5.Dor. Se ele sente algum tipo de mal-estar, não conseguirá dormir.

6.A idade. Quando os animais envelhecem, perdem seus sentidos pouco a pouco. Isso pode torná-los nervosos, dificultar-lhes o reconhecimento do lugar em que se encontram e impedi-los de conseguir dormir bem. Um truque que você pode usar nesse caso é acender uma lâmpada com luz baixa para que ele a tenha como referência.

Se você acha que, ao invés de apresentar alguns desses sintomas, ele esteja com alguma doença ou sentindo alguma dor, é melhor procurar a ajuda de um veterinário. Ele será quem melhor poderá dizer quais são as causas e o que fazer em cada caso.

Source: https://meusanimais.com.br/voce-sabe-por-que-os-gatos-ronronam/

 

Pets

A partir de Maio, os animais passam a ter mais direitos em Portugal


Os animais deixam de ser ‘coisas’ e passam a ter direitos, nomeadamnente, em relação à saúde e bem-estar e em caso de divórcio dos donos.

Está prestes a entrar em vigor o novo estatuto jurídico dos animais, que traz novas obrigações legais para os proprietários e também para quem se deparar com um animal perdido ou ferido. A partir de 1 de Maio, os nossos ‘melhores amigos’ passam a ser encarados como “seres sencientes” e quem não os respeitar pode pagar pesadas multas ou ir preso.

A alteração relativa ao direito à saúde e bem-estar será a que de uma forma mais generalizada implica mudanças para quem possui animais de estimação, mas também para quem encontrar um animal na rua.

Isto significa que, para quem os tem em casa, os animais terão de ter acesso a água, alimento e cuidados veterinários. Passando a estar incluída a possibilidade de deduzir 15% do IVA das facturas com despesas veterinárias, não há desculpa para não assegurar a protecção da saúde e bem-estar dos animais com os quais convive. Quem não o fizer pode sofrer sanções, nomeadamente pena de prisão até um ano ou multa até 120 dias – a mesma aplicada a quem infligir dor, sofrimento ou maus tratos físicos a um animal de companhia.

Se causar uma lesão ao animal de companhia de outra pessoa, terá de indemnizar o proprietário ou quem tenha socorrido o animal, não só das despesas veterinárias, como também de danos morais em caso de danos permanentes, dificuldade grave ou morte do animal.

Desconhecendo o dono do animal, quem o encontrar só poderá ficar com ele em caso de indícios fundamentados de maus tratos ou tendo passado um ano após a procura do proprietário, devidamente publicitado o achado e pesquisada a existência de ‘microchip’ num veterinário.

E como a lei admite que os animais sentem dor e angústia, no caso de divórcio dos donos, o destino dos “patudos” passará a ter de constar dos documentos obrigatórios que acompanham o pedido nas Conservatórias, tal como sucede relativamente às responsabilidades parentais, em caso de mútuo consentimento, determinando a quem fica confiado o animal segundo os interesses dos cônjuges e das crianças que possam existir, bem como o bem-estar do animal.

Pode consultar novo estatuto jurídico aqui.

Source: http://www.dnoticias.pt/pais/a-partir-de-maio-os-animais-passam-a-ter-mais-direitos-em-portugal-XX1189437