5 rosés para beber com sobremesas e gelados


Não há por que estranhar a harmonização de gelados com vinho, de estranhar é que não se faça desde sempre. Conheça aqui cinco vinhos rosés capazes de potenciar os sabores das sobremesas e gelados na hora da refeição.

Não há por que estranhar a harmonização de gelados com vinho, de estranhar é que não se faça desde sempre. Um gelado tem proteína, gordura, açúcar e todo um património aromático e de sabor e por isso merece a maior atenção. O vinho rosé ajuda a ler os componentes de um gelado, servindo como filtro e desde que haja cuidado na escolha dos sabores, potencia em muito o prazer. Além de que está mais do que na hora de procurar outra bebida para além da água, a que todos nos temos sujeitado como se fosse obrigatório.

Nas sobremesas caseiras e na pastelaria tradicional, chantilly, creme de pasteleiro e creme de manteiga pegam no rosé e vestem-no de pajem real. Inesquecível a experiência com bolo-rei, a exacerbar os frutos secos e a fruta cristalizada, ao mesmo tempo que faz sentir a textura da massa brioche. Mesmo um leite-creme mostra nuances interessantes, não tanto como a tarte de amêndoa ou noz. Modo de descoberta ativado, é só experimentar.

Herdade do Sobroso regional alentejano rosé 2017 | Herdade do Sobroso

Feito exclusivamente a partir da casta syrah, é um regalo para os sentidos, e cai bem com gelados de morango, framboesa ou ameixa. Para todas as idades e momentos, fator surpresa garantido.

Preço: 12,50 euros

Classificação: 17/20

Crasto DOC Douro rosé 2017 | Quinta do Crasto

Rosé produzido a partir de touriga nacional e tinta roriz, vai bem com a doçaria caseira da grande tradição portuguesa. Arroz-doce, leite-creme e pudins de ovos são companhia boa para este vinho de porte duriense.

Preço: 11 euros

Classificação: 16,5/20

Covela regional Minho rosé 2017 | Lima & Smith

Muito bom com leite-creme, queimado ou não, genial com um gelado de vinagre balsâmico. Vão bem também tartes e nougats de frutos secos diversos, assim como as simples e típicas amêndoas torradas.

Preço: 10 euros

Classificação: 17,5/20

Herdade de São Miguel | Soc. Agr. Alexandre Relvas

Rosé elegante e pefumado, vai bem com bolo de chocolate com uma bola de gelado de baunilha, ou com crème brulée com frutos vermelhos.

Preço: 5,50 euros

Classificação: 16/20

Vale da Raposa DOC Douro rosé 2017 | Domingos Alves de Sousa

Sobremesas com queijos frescos, curados ou ralados vão casar bem com este rosé de boa cepa. Muito bom também com bombons recheados.

Preço: 8 euros

Classificação: 16,5/20

:::::::::::::::::::::::::::::

Source: https://www.evasoes.pt/beber/5-roses-para-acompanhar-sobremesas-e-gelados/

 

Advertisements

Durante o verão há cinema ao ar livre no Grande Porto


Ir ao cinema é sempre uma boa ideia. E se a isso juntar uma dose generosa de pôr do sol e ar livre ainda melhor. Este verão há pelo Grande Porto várias iniciativas que trazem os filmes para fora de portas, e que são, na sua maioria, gratuitas. Tragam as pipocas.

Em agosto, as praças, jardins e outros espaços públicos do Porto vão ser invadidos por sessões de cinema ao ar livre. O sol poente de verão acompanha o início das projeções e é até mote para as festas musicais que, já a partir de 24 de julho, fazem também parte do programa de uma outra iniciativa, o Cine NOS. Já na Maia, é na relva que se assiste às longas-metragens, e no concelho de Santa Maria da Feira são três as freguesias que vão acolher a exibição de filmes de ação, aventura e até musicais, bem recentes. Deixe-se cair a noite, que as estrelas vão brilhar, as do céu e as da tela.

1. Cinema Fora do Sítio (Porto)

Em agosto chega a 19ª edição do ciclo Cinema Fora do Sítio. Ao todo serão exibidos 8 filmes, em diferentes praças e jardins da cidade, sempre às 22h00 e com entrada gratuita. A primeira sessão vai decorrer nas Fontainhas, no dia 3 de agosto, com a exibição do filme de animação Ferdinando. Já no dia seguinte, sábado, é o jardim de Sobreiras a nova sala de cinema.

O programa completo pode ser consultado aqui.

2. Cine NOS (Porto)

Entre julho e setembro o Centro de Congressos da Alfândega do Porto é uma das salas ao ar livre da iniciativa Cine NOS, que também decorre em Lisboa e Troia. A programação inclui filmes icónicos de vários géneros e é já esta terça, 24 de julho, que acontece a primeira sessão. Mestres da Ilusão é a longa metragem de estreia. As portas abrem às 19h30 e os filmes começam às 21h30. O bilhete tem o custo de 12 euros e inclui entrada na sunset party com música, pipocas e bebida.

O programa completo pode ser consultado aqui.

3. Cinema na Relva (Maia)

O Jardim do Parque Central da Maia é o palco do ciclo de Cinema na Relva, promovido pelo Cineclube da Maia. Nos dias 27 e 28 de julho, bem acomodados no manto verde pode-se assistir gratuitamente à exibição, sempre às 22h00, de The Florida Project, de Sean Baker (dia 27) e Cinema Paraíso, de Giuseppe Tornatore (dia 28). Basta levar pipocas, e talvez uma almofada.

4. Artes em Itinerância (Santa Maria da Feira)

No âmbito do projeto Artes em Itinerância, que até setembro promove vários espetáculos pelas freguesias do concelho, além das artes de rua e dos concertos, constam ainda no programa 3 sessões de cinema ao ar livre. A primeira tem lugar a 17 de agosto, no Largo do Eleito Local, em Lobão, às 21h30, e será exibido o recente filme Missão Impossível – Fallout.

O programa completo pode ser consultado aqui.

::::::::::::::::::::

Source: https://www.evasoes.pt/

 

Porto: Já pode dormir numa casa barco no rio Douro


Os amigos Mex Machado e João Gil Oliveira, praticantes de desportos náuticos desde miúdos, decidiram proporcionar uma experiência diferente a quem visita o Porto: desde há uma semana, disponibilizam uma casa barco, em pleno rio Douro, para dormidas e passeios.

«É um sentimento de liberdade total. Abrimos a cortina e temos a vista rio. Pode-se escolher onde dormir, e nesse caso terá uma vista extra», conta Mex Machado. Se o cliente tiver carta de marinheiro, pode conduzir a embarcação, 100% elétrica, pelo que «não faz barulho, só se ouve a água». E o espetáculo adquire contornos especiais ao pôr-do-sol.

Para proporcionar «uma melhor experiência», a casa está equipada com bicicletas, canoas, uma boia de diversão, prancha de stand-up paddle e outros equipamentos, cuja utilização está incluída no valor do aluguer: 190 euros por noite. Existe ainda a possibilidade de fazer jet ski, com um custo acrescido.

A casa barco dispõe de um quarto com cama de casal, um sofá cama, cozinha, casa de banho e deck na parte superior, para banhos de sol e de paisagem. São ainda disponibilizadas máquina de café, televisão e outras comodidades, entre elas, um telemóvel com internet e chamadas ilimitadas, que inclui recomendações de eventos, restaurantes, museus e paisagens a conhecer, com a respetiva localização.

A embarcação pode ser atracada em qualquer marina, mas encontra-se na do Freixo, o que permite utilizar o passadiço no rio Douro para corridas ou passeios de bicicleta – em dez minutos, está-se no centro da cidade. Deixar o carro não é problema, porque há parque de estacionamento gratuito a cinco minutos da estação de Campanhã. Está acessível através da plataforma de alojamento Airbnb, ou por e-mail.

Um casal australiano já experimentou a casa barco. «Adoraram conhecer os vinhos portugueses enquanto observavam a beleza da ribeira, da foz e as praias fluviais. Para eles, foi uma experiência diferente», afirma Mex Machado. A pernoita é para duas a quatro pessoas, sendo que, se for alugada só para passeio, pode albergar sete – oito, se algum dos clientes tiver carta de marinheiro. Mais, se estiver parada no rio. Sendo que se aconselha a estada de crianças a partir dos 7 anos, para que possam usufruir de todas as valências.

Convívios em família ou entre amigos e escapadas românticas são possíveis durante algumas horas, manhãs, tardes ou dias inteiros, estando incluída a utilização dos equipamentos desportivos e de diversão. Os passeios custam a partir de 150 euros (duas horas), podendo englobar provas de vinhos, lanches, subidas pelo rio com paragens gastronómicas e outros programas.

Mex Machado e João Gil Oliveira decidiram avançar com o projeto porque entenderam que o mercado de alojamento, no Porto, «estava a ficar muito homogéneo». Perceberam que no norte não havia nenhuma casa barco e quiseram proporcionar algo diferente aos clientes.

Os dois amigos estão juntos na empresa de comunicação e de experiências M XGenious, que detém a casa barco, sendo que Mex Machado é sócio de outra empresa de tecnologia e prepara-se para voltar a vestir a pele de piloto de ralis, como há uma década. Por enquanto, a condução é tranquila, e faz-se pela água.

Oporto Douro Floating House
Airbnb: www.airbnb.pt/rooms/26567682?preview_for_ml
E-mail: oportodourofloatinghouse@gmail.com
Dormida, 190 euros por noite, para duas pessoas; passeios a partir de 150 euros.

:::::::::::::::::::::::

Source: https://www.evasoes.pt/

Porto: O Elétrico vai trazer música ao Parque da Pasteleira


Começa já na próxima sexta, 22 de julho, o Elétrico Porto Music Experience, no Parque da Pasteleira, um festival de música, dança, arte e tecnologia que traz um pouco do mundo até à cidade.

Inspirado no meio de transporte com o mesmo nome, o festival propõe três dias cheios de energia, seja com sons que chegam de Berlim, Barcelona ou Detroit, até a instalações de artistas locais, sempre com o sol, ar livre e a natureza por perto. Jazz, techno, soul, funk, disco e house são algumas das propostas musicais.

O projeto Mupi Gallery também vai atravessar o parque com dez imagens da autoria de António Olaio, Isaque Pinheiro, Miguel Palma, João Fonte Santa e João Baeta, instaladas nos painéis de publicidade do recinto, que vai contar também com a presença de food trucks e um espaço dedicado aos vinhos.

Uma feira de arte, com trabalhos de fotografia, pintura, desenho, ilustração e muitos outros, sessões de meditação e uma experiência de dança étnico-tribal também fazem parte do programa.

Também vêm artistas da Roménia, Suíça e Coreia do Sul e diretamente de Chicago chega Honey Dijon, para terminar a primeira noite no palco principal

O programa completa pode ser consultado na página do festival. O bilhete diário tem o custo de 25 euros e o passe para os três dias custa 60 euros.

Source: https://www.evasoes.pt/

O restaurante na Maia em que os petiscos requintados são a maior aposta


Na Essência das Tapas, a ideia é petiscar com requinte, mas também há outras opções na ementa, que vai para a mesa num tablet. O que lá se come, porém, nada tem de virtual.

Os petiscos são a maior aposta do Essência das Tapas, aberto desde setembro passado, no sítio onde outrora funcionou o Café Tartan. Se o antecessor era conhecido pela francesinha, o novo restaurante não quis deixar ninguém órfão, pelo que a famosa sanduíche incrementada não falta na ementa, representada em diferentes versões.

Pedro Santos, o proprietário, assegura que procurou evitar os pitéus portugueses mais tradicionais. Por lá se encontra, essencialmente, «petiscos requintados», acrescenta o chef Filipe Almeida, dando como exemplos o estaladiço de queijo de cabra com molho de frutos silvestres, o folhado de alheira com molho agridoce, o rabo de boi com puré de batata-doce, os lagartos de porco preto.

A ideia era criar um espaço «acolhedor, onde as pessoas se sentissem bem» nos diferentes momentos do dia – final de tarde incluído – e pudessem ter associadas «boa confeção e excelente apresentação», explica Pedro Santos. Os olhos podem começar a comer mal chega a ementa, que é digital e apresenta imagens de pratos. «Temos seis tablets que vamos colocando nas mesas. O cliente pode fazer a seleção do que pretende; o empregado só tem de ir à mesa e validar», completa o dono da casa.

A cada mês, é adicionado um petisco novo à carta, que é bastante diversificada: tem pratos de carne e de peixe, massas, sopas e saladas, além de sobremesas, como a tarte de maçã escondida, em que a fruta surge na forma de puré. De segunda a sábado, há ainda dois menus de almoço: o «3 tapas», para picar, e o «executivo», caso se prefira uma refeição de peixe ou carne. E estão disponíveis mais de cinquenta referências de vinhos, a assegurar que não faltam opções também na hora de beber um copo, seja ao almoço, à tardinha ou pela noite dentro.

MORADA: Avenida D. Manuel II, 1169, Maia
TELEFONE: 919204090
HORÁRIO: Das 12h00 às 15h00 e das 18h30 às 00h00. Não encerra
CUSTO (): Preço médio: 15 euros
FACEBOOK: http://facebook.com/essenciadastapas

 

:::::::::::::::::::::::

Source: https://www.evasoes.pt/comer/maia-neste-restaurante-a-ementa-vem-para-a-mesa-num-tablet/

Eco Porto: O festival «berdinho» chega este fim de semana


No próximo fim de semana, 16 e 17 de junho, a Casa das Artes recebe mais uma edição do Eco Porto, um festival que tem a sustentabilidade como palavra de ordem, e um programa recheado de música, cinema e oficinas.

Depois da primeira edição, em 2016, no Jardim Botânico, o Alfaia Officinalis dá agora a conhecer mais um canto verde da cidade com o festival Eco Porto, desta vez a ter lugar para lá dos portões da Casa das Artes. O objetivo da iniciativa é promover um estilo de vida mais sustentável, tanto a nível ambiental, como social e patrimonial.

O programa inclui, à semelhança do anterior, um mercado biológico e uma feira de artesanato sustentável, mas há também novidades. O EcoDoc é um espaço dedicado ao cinema documental, onde vão ser exibidos filmes de temáticas ambientais e sociais. Alguns dos realizadores vão ainda estar presentes no fim de cada sessão para um debate com o público.

Paralelamente vão decorrer palestras sobre alimentação, consumo responsável e até agroecologia. Entre os dois palcos montados no jardim e o auditório também não vai faltar animação, com Dj Sets, concertos e espetáculos de dança a animar o fim de semana. No domingo, o festival encerra com um recital de Lieder de Schubert, pelo tenor Mário Ferreira, acompanhado pela pianista Ana Leonardo

Ao longo do festival vão ter lugar oficinas de fast food vegetariano, ervas aromáticas e os visitantes vão ainda ter a oportunidade de fazer hambúrgueres de tremoço e aprender sobre sementeiras e estacaria.

A pensar nos mais pequenos estão também previstas algumas atividades como uma sessão de ioga, oficinas artísticas, de criação de carimbos e até feltragem de lã de ovelha.

O festival é de entrada livre mas algumas atividades, como concertos, oficinas e sessões de cinema estão sujeitas a donativo consciente e a inscrição. O programa completo pode ser consultado na página do Eco Porto.

::::::::::::::::::::::::::::::::

MORADA: Rua Ruben A, 210, Porto (Campo Alegre)
TELEFONE: 220116350
HORÁRIO:
Das 10h00 às 12h15 e das 14h30 às 18h30. Das 14h00 às 20h45 ao sábado. Das 14h30 às 18h45 ao domingo. Não encerra.
EMAIL:  casadasartes@culturanorte.pt

As cidades na Europa que nunca pensou visitar mas deveria


Estas não são 13 cidades sobre as quais nunca ouviu falar. Não são cidades completamente desconhecidas. Não são capitais, não estão na moda, não estão nos tops nem nos roteiros principais.

Acontece que todas estas cidades têm um encanto único, capaz de rivalizar com qualquer capital europeia. Cultura, história, praias. São lugares para os quais nunca pensou viajar, mas que agora vai ponderar.

1. Génova, Itália. Foi aqui que nasceu o navegador Cristóvão Colombo. É a sexta maior cidade italiana e uma das mais antigas da Europa. História não lhe falta.

2. Eindhoven, Holanda. O nome é conhecido pela equipa de futebol, mas aqui há muito mais para ver.É uma cidade repleta de arte e cultura.

3. Stavanger, Noruega. Por estas paragens há paisagens de cortar a respiração, onde se impõem os fiordes, montanhas e extensas praias de areia branca.

4. Charleroi, Bélgica. É uma cidade jovem e industrial junto ao rio Sambre onde pode encontrar atrações como o Palais des Beaux Arts (Palácio de Belas-Artes), a Estação dos Correios ou o Museu da Comédia.

5. Kalamata, Grécia. Situa-se na região sul do país e é das cidades menos turísticas. Vai encontrar muita tranquilidade nas extensas praias de areia dourada.

6. Malmo, Suécia. Ligada por uma ponte à Dinamarca, esta cidade tem um vasto património histórico industrial. É uma cidade com muitos parques naturais.

7. Brno, República Checa. A segunda maior cidade do país é a porta de entrada para as vinhas férteis da região da Morávia do Sul. A vila funcionalista Tugendhat está inscrita na lista da UNESCO.

8. Leipzig, Alemanha. Tem longa tradição nas artes. Esta cidade foi lar de grandes compositores, como Bach e Bartholdy.

9. La Coruna, Espanha. É uma cidade costeira, alegre e com grande vida noturna. Destaque para o gigantesco farol dos tempos romanos, a Torre de Hércules, considerado Património da Humanidade.

10. Basileia, Suíça. Com 40 museus, esta cidade cultural oferece a maior densidade de museus do país. É uma cidade histórica junto ao Reno.

11. Espoo, Finlândia. É ideal para quem quer estar perto da capital, Helsínquia, sem ficar propriamente na grande metrópole.

12. Debrecen, Hungria. É a segunda maior cidade do país. Fica a duas horas e meia de Budapeste, a capital. Durante o verão não falta street food pelas ruas do centro histórico. Vale a pena a passagem, entre um e dois dias.

13. Linz, Áustria. Fica situada nas margens do rio Danúbio e foi fundada pelos romanos. A arquitetura é ímpar. No centro pode ver edifícios do estilo barroco e renascentista.

:::::

Source: https://www.voltaaomundo.pt/