Tags

, ,


A vida não é um acaso. É uma escolha.

Sobre a Obra:

Existe, e sempre existiu, uma crença generalizada na sorte ou no destino, ou seja, num poder eterno e insondável que atribui fins bem definidos às pessoas e à humanidade. Certos acontecimentos não se podem controlar nem evitar. O nascimento e a morte, por exemplo, são inevitáveis, e muitas das ocorrências da vida parecem sê-lo igualmente.

O homem esforça-se para a realização de certos fins e, gradualmente, vai tomando consciência de um poder que parece não ser dele e que frustra os seus débeis esforços, rindo, por assim dizer, do seu empenho e dos seus combates infrutíferos.

Porém, contrariamente ao que possa parecer, o homem tem a liberdade de escolher o seu caminho e de moldar o seu destino: e os esforços pacientes e incansáveis que promove para a realização dos seus fins são declarações de consciência da liberdade e do poder.

O homem é o criador das suas próprias ações; como tal, é o criador do seu caráter; é ele quem molda o seu destino e lhe dá forma. Tem o poder de modificar os seus atos, e altera o seu caráter de cada vez que age; e, com a modificação do seu caráter para o bem ou para o mal, predetermina para si novas realidades.

Ele é o mestre do seu destino!

Sobre o Autor:

James Allen foi escritor, filósofo e poeta. Escreveu sobre temas complexos como a fé, o destino, o amor, a paciência e a espiritualidade, mas teve o raro dom de conseguir expor os temas de forma tão clara e simples, que qualquer pessoa os pode compreender.
Nasceu em 1864, em Leicester, Inglaterra, de onde partiu aos 15 anos, com toda a família, rumo aos Estados Unidos. Contudo, dois dias depois de chegarem ao novo continente, o seu pai viria a falecer, o que obrigou a família a reorganizar-se. A morte do pai levou James Allen a abandonar a escola e a começar a trabalhar para ajudar a sustentar a família. Apesar de trabalhar durante muitas horas, Allen continuou a ler e a estudar os temas mais diversos.
Entre os seus autores preferidos, incluíam-se Shakespeare, Milton, Emerson, Buda, Jesus, Whitman e Lao-Tsé.
Todas as manhãs, andava pelas montanhas à volta da sua casa e aproveitava para refletir e meditar sobre os assuntos que lhe ocupavam a mente. Depois, regressava a casa e escrevia até à hora de almoço. À tarde, estava com a família, tratava da quinta, fazia jardinagem e jogava croquet com os amigos.
Faleceu em 1912, mas a obra que deixou fica para a posterioridade.