Tags

, , ,


Um casal de viajantes correu o Mundo até chegar a bom porto na Invicta para abrir o primeiro restaurante vietnamita da cidade. Ha e Fábio, ela do Vietname e ele do Brasil, trouxeram o conforto da comida de rua.

A sopa é tudo para os vietnamitas, que a comem logo de manhã, ou a qualquer hora do dia, quando estão cansados ou a precisar de conforto. Por isso, Ha Nguyen perseguia o pho (a sopa tradicional do Vietname) por todos os países onde passava. E foram vários onde viveu, em países da Ásia até à América Latina, desde a capital Hanói, onde conheceu Fábio Campos, brasileiro de Belo Horizonte.

Ele tornou-se o seu companheiro de vida e de viagens, e pai das suas filhas. E cúmplice na busca da reconfortante sopa vietnamita. «Onde quer que eu estivesse, eu procurava um lugar onde comer o meu pho», conta Ha, que aprendeu a cozinhar com a mãe e descobriu-se definitivamente talhada para a cozinha quando era estudante universitária em Hanói e a sua comida se tornou famosa.

A família vivia no Brasil quando uma viagem a Portugal lhes prendeu o coração ao Porto, onde encontraram rio, mar e um ambiente hospitaleiro. E Ha começou a fazer todos os dias o seu pho – e outros pratos da cozinha popular vietnamita, que se comem nas ruas – no restaurante que ela e Fábio abriram em abril, na Rua de Cedofeita.

Chama-se VietView e a sala, de eloquente simplicidade, enche os olhos com bocadinhos de Hanói. As paredes são pintadas de amarelo-torrado com manchas, tal como os muros da cidade marcados pela chuva, com placas com os nomes das ruas. No teto há cestos tradicionais e fazem de quebra-luz os chapéus cónicos que todos nós, por cultura viajante ou pelo cinema, prontamente associamos ao Vietname.

É nesta atmosfera, em mesas de madeira e com a bandeira do Vietname sempre à vista, que se prova o bem-amado pho de Ha. Sorvendo aquele caldo delicado, profundamente aromático, com um travo picante, ao mesmo tempo fresco e quente, exótico e familiar, percebe-se porque é que ela o procurava por todo o lado.

Há de facto consolo naquele caldo onde cozeu, durante pelo menos cinco horas, um osso de vaca (e aí estará o laço com o paladar português), ao qual se juntou carne, massa de arroz, especiarias e ervas, criando um sabor que perdura. O mesmo acontece com outro dos pratos da carta, a salada fresca com massa Vermicelli com vaca e legumes, cheia de impacto herbal. «A minha comida é toda fresca, vou todos os dias ao mercado, como a minha mãe fazia», assinala Ha.

Esta salada em particular ficou célebre quando o antigo presidente norte-americano Barack Obama a comeu acompanhado pelo crítico Anthony Bourdain, numa visita ao Vietname. Além destes pratos mais copiosos, há massa ou arroz, com legumes, carne ou camarão a sair do wok, rolinhos primavera e saladas, todas carregadas de sabores frescos, e um trio de pratos vegetarianos.

Não é uma carta extensa, antes uma lista de sabores aos quais apetece voltar muitas vezes. A lista de bebidas conta com cervejas vietnamitas e algumas portuguesas em estilo artesanal, uma mão- -cheia de vinhos e alguns cocktails. Está em contagem decrescente a abertura da esplanada das traseiras, onde se vai poder saborear as saudades do Vietname que Ha expressa na cozinha entre o granito do Porto.

:::::::::::::::::::::

MORADA:
Rua de Cedofeita, 502 (Cedofeita)
TELEFONE:
964109354
HORÁRIO:
Das 12h00 às 15h00 e das 19h00 às 23h00. Fecha domingo.
CUSTO:
(€€) Preço médio: 22 euros.