Tags

,


Uma mãe que enfrentou uma suspeita de doença celíaca abriu uma pastelaria na Póvoa do Varzim onde se podem regalar todos aqueles que têm intolerâncias alimentares… e todos os outros também. 

Teresa Bernardes quis criar uma pastelaria «inclusiva e para todos», com doces que pudessem ser apreciados por diabéticos, celíacos, intolerantes à lactose ou simplesmente vegetarianos… ou apenas vulgares gulosos. A Boca de Leão abriu há um ano mas, na verdade, germinou há cinco anos, depois de Teresa Bernardes ter vivido meses com a suspeita de que a filha de 14 anos tinha doença celíaca (intolerância ao glúten).

Sem trigo, centeio ou cevada, Teresa percebeu com fazer algo tão comum como tomar o pequeno-almoço fora de casa se tornou «um pesadelo». A pequena queixava-se de «nunca poder comer nada» e que o pão, bolachas ou bolinhos sem glúten não sabiam bem. Perante isto, Teresa, uma engenheira química a trabalhar na certificação e no controlo de qualidade na indústria de cordoaria e metalomecânica, não hesitou. A química dava-lhe o gosto pela investigação e pelas experiências. E, afinal, controlar a humidade e a levedação «não deixa de ser química», salientou.

Foi assim que deixou o emprego de anos, fez formação em pastelaria na Escola de Hotelaria e Turismo do Porto e abriu a Boca de Leão, uma das três pastelarias no Norte de Portugal certificada pela Associação Portuguesa de Celíacos e «uma das poucas no país a trabalhar exclusivamente sem glúten ou lactose», sublinha. O desafio é fazer bolos e salgados comuns sem glúten, nem lactose, com um sabor o mais próximo possível dos originais. Daí que a farinha de arroz e alfarroba e os açúcares mascavados sejam ali ingredientes essenciais.

O trabalho de laboratório é diário e as descobertas nunca mais pararam. A filha, afinal, não é celíaca – «mas outros são», refere a engenheira que se tornou pasteleira e encia agora doces para todo o país em transporte refrigerado. Ali chega gente do Porto, de Viana, de Braga, de Paços de Ferreira e, cada vez mais, estrangeiros de férias na cidade.

«Ver a cara das crianças [celíacas] quando chegam aqui e lhes digo que podem comer tudo é incrível! E o melhor é quando as pessoas provam e dizem que sabe ao mesmo dos bolos ‘normais’», atira, sorrindo, acrescentando que, mesmo entre não celíacos, a dieta sem glúten tem cada vez mais adeptos.

:::::::::::::::::::::::::::::

MORADA: Rua Dr. Manuel Monteiro, 27
TELEFONE: 252177996
HORÁRIO: Das 08h00 às 19h30. Encerra ao domingo à tarde e quarta-feira.