Tags

, ,


Milkman, de Anna Burns, foi o vencedor do prestigiado prémio literário Man Booker 2018. O anúncio foi feito esta terça-feira, dia 16 de outubro, em Londres.
A obra, situada na Irlanda do Norte dos anos 70, narra a história dos encontros entre uma rapariga de 18 anos e um homem casado, muito mais velho e reconhecido por seduzir jovens.

Em entrevista à fundação Booker Prize a autora admitiu que teve como base a sua própria existência: «Cresci num lugar carregado de violência, desconfiança e paranóia, no meio de gente que tentava navegar e sobreviver nesse mundo o melhor que podia. (…) Cresci em Belfast e isso tem uma enorme influência no livro.»

«Nenhum de nós leu algo assim antes. A voz incrivelmente distintiva de Anna Burns desafia a forma de pensar tradicional e ganha forma numa prosa surpreendente e imersiva», alegou Kwame Anthony Appia, um dos membros do júri, escritor e filósofo, em comunicado.

Este é o terceiro romance da irlandesa de 56 anos e ainda não se sabe se terá tradução em Portugal.
O Man Booker tem um valor pecuniário de 50 mil libras (cerca de 57 mil euros).

Sobre a Obra:

Set in an un-named city but with an astonishing, breath-shorteningly palpable sense of time and place Milkman is a tale of gossip and hearsay, silence and deliberate deafness. The story of inaction with enormous consequences and decisions that are never made, but for which people are judged and punished.Middle sister is our protagonist. She is busy attempting to keep her mother from discovering her nearly-boyfriend and to keep everyone in the dark about her encounter with milkman (which she herself for the life of her cannot work out how it came about).

But when first brother-in-law, who of course had sniffed it out, told his wife, her first sister, to tell her mother to come and have a talk with her, middle sister becomes ‘interesting’. The last thing she ever wanted to be. To be interesting is to be noticed and to be noticed is dangerous.Milkman is a searingly honest novel told in prose that is as precise and unsentimental as it is devastating and brutal.

A novel that is at once unlocated and profoundly tethered to place is surely a novel for our times.